Sections
You are here: Home Informativos Edições 2019 Setembro PFDC participa da IV Consulta Regional sobre Empresas e Direitos Humanos, no Chile
Document Actions

PFDC participa da IV Consulta Regional sobre Empresas e Direitos Humanos, no Chile

2019-09-05 19:39

Diálogo reuniu representantes da sociedade civil, de instituições nacionais de direitos humanos, de organismos internacionais e dos setores público e empresarial de vários países

As diretrizes da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável orientaram os debates da “IV Consulta Regional sobre Empresas e Direitos Humanos para a América Latina e o Caribe”, realizada entre 3 e 4 de setembro de 2019, em Santiago, no Chile, e que contou com a participação da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC).

PFDC participa da IV Consulta Regional sobre Empresas e Direitos Humanos, no ChilePromovido pelo Escritório Regional para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), o encontro aconteceu na sede da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal).

O diálogo reuniu representantes da sociedade civil, de instituições nacionais de direitos humanos, de organismos internacionais como ACNUDH, Cepal, União Europeia e Grupo de Trabalho da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, além de representantes dos setores públicos e empresarial. Na ocasião, a Procuradoria dos Direitos do Cidadão foi representada pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão substituto em Minas Gerais, Edmundo Dias, que integra o Grupo Temático da Federación Iberoamerica de Ombudsman (FIO) sobre Direitos Humanos e Empresas e o Grupo de Trabalho da PFDC sobre o mesmo tema.

Durante a Consulta, Edmundo Dias integrou painel sobre acesso à reparação de danos causados por atividades empresariais. O representante da PFDC compartilhou a experiência do Ministério Público Federal diante de dois graves episódios no contexto de desastres socioambientais provocados pela atividade de mineração no Brasil: o rompimento da Barragem de Fundão, em 2015, na bacia do rio Doce (MG), e que ficou conhecido como Desastre da Samarco; e o Desastre da Vale que aconteceu em janeiro deste ano, no município de Brumadinho (MG), quando o rompimento da barragem na Mina Córrego do Feijão vitimou centenas de pessoas e deixou inúmeros desaparecidos.
 

O representante da Procuradoria ressaltou as medidas judiciais e extrajudiciais adotadas pelo Ministério Público Federal a fim de assegurar a reparação integral e a participação das pessoas atingidas.
 
Edmundo Dias lembrou que, durante o processo de reparação dos danos do desastre do rompimento da barragem de Fundão, Ministérios Públicos e Defensorias, federais e estaduais, passaram a atuar de forma conjunta, e que essa experiência de atuação interinstitucional foi aproveitada desde o início da atuação no caso do desastre da Vale na mina do Córrego do Feijão.

“O caso Brumadinho demonstra que a existência de alguns parâmetros estabelecidos no penoso processo de reparação do desastre na bacia do rio Doce foi muito importante ao oferecer critérios - como, por exemplo, o reconhecimento do direito dos atingidos a assessorias técnicas independentes de sua própria escolha . Foram esses parâmetros que desde o inicio nortearam a atuação das instituições que atuam conjuntamente no processo de reparação do desastre da Vale na mina do Córrego do Feijão, na busca por uma reparação mais rápida e efetiva. Por isso, como se vê, é essencial construir um marco normativo vinculante acerca dos direitos das pessoas atingidas por desastres e grandes empreendimentos, colocando-as no centro do processo de reparação”, destacou Edmundo Dias.

Carta dos atingidos
 
No encerramento da IV Consulta Regional, quando aberta a palavra aos representantes de instituições nacionais de direitos humanos, o representante da PFDC reiterou que os princípios orientadores sobre empresas e direitos humanos, por sua característica de soft law, se mostram insuficientes, em uma realidade de enorme desigualdade social como a brasileira, tendo citado como exemplos, nesse sentido, os processos de reparação dos desastres de Mariana e de Brumadinho, em que os atingidos lidam, em uma enorme assimetria, com as duas maiores empresas mineradoras do mundo.

Nesse sentido, ressaltou a importância de que seja ratificado no país o Acordo Regional de Escazú – adotado em março de 2018, na Costa Rica, e assinado pelo Brasil em setembro do ano passado. O documento trata dos direitos de acesso à Justiça, à informação e à participação, essenciais para a efetiva e democrática reparação de desastres como o da empresa Vale na mina do Córrego do Feijão e o do rompimento da barragem de Fundão.

Na oportunidade, o representante da PFDC passou a palavra a Marina Oliveira, atingida pelo desastre da Vale na mina do Córrego do Feijáo, que leu a “Carta dos Atingidos pelos Crimes da Vale à Sociedade Brasileira”.
 
Grupo Temático da FIO
Além da “IV Consulta Regional sobre Empresas e Direitos humanos”, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão também participou dos debates realizados no âmbito da “Sessão de Trabalho do Grupo Temático da FIO sobre Mineração e Direitos Humanos e Empresas”, nos dias 2 e 3 de setembro, também na sede da Cepal.
A sessão teve como objetivo discutir a inclusão da perspectiva de direitos humanos nos estudos acerca do impacto ambiental gerado por grandes empreendimentos empresariais, com recomendações para fortalecer a gestão e a prevenção ambiental.
A atividade reuniu representantes de instituições ombudsman da Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, México e Peru, que integram o grupo temático da FIO – composto ainda Paraguai e Portugal. Também participaram do encontro representantes da Cepal, do ACNUDH, do projeto Minsus, da GIZ (Cooperação Alemã) e do Instituto Danes de Derechos Humanos.
Informativos

2019

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: