Sections
You are here: Home Informativos Edições 2019 Dezembro PFDC participa de lançamento de campanha da Câmara dos Deputados contra a violência política de gênero
Document Actions

PFDC participa de lançamento de campanha da Câmara dos Deputados contra a violência política de gênero

2019-12-12 16:18

Iniciativa pretende promover o enfrentamento à prática que atinge as mulheres em posições políticas e de poder

PFDC participa de lançamento de campanha da Câmara dos Deputados contra a violência política de gênero

Foto: PFDC

Dar um basta às formas de violência que atingem as mulheres em espaços de decisão e poder. Com este objetivo, a Câmara dos Deputados lançou nesta quarta-feira (11) a campanha institucional "Violência Política de Gênero: a Maior Vítima é a Democracia", solenidade que contou com a participação da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat.

A iniciativa aborda a violência contra as mulheres na política e, segundo a deputada Jandira Feghali, o objetivo é que a ação alcance todas as assembleias legislativas, câmaras de vereadores e espaços políticos, de modo a fomentar estratégias de enfrentamento ao fenômeno. "Não vamos esquecer que a violência política de gênero alcança todas as mulheres que buscam ser protagonistas no espaço político na sociedade brasileira", afirmou a parlamentar ao lembrar, ainda, o período eleitoral que se aproxima, momento no qual muitas mulheres podem ser incentivadas a disputar um cargo eletivo.

A representante do Ministério Público Federal (MPF) destacou que a campanha contém três palavras-chave. A primeira, "violência", lembrando que a Constituição de 1988 a repudia de tal forma que pela primeira vez o direito brasileiro chega aos lares, reprimindo também a violência doméstica. Chamou a atenção para o fato de que as violações que se iniciam no contexto privado o excedem e alcançam também o espaço público.

Deborah Duprat ainda considerou um avanço a Câmara dos Deputados ter incluído de forma explícita a palavra "gênero" em sua campanha. Segundo a procuradora, tal expressão é cercada de interdições, especialmente no âmbito legislativo e nos espaços escolares. Para Deborah Duprat, é necessário reafirmar que gênero é uma construção dos movimentos de mulheres contra as naturalizações que as tornaram reféns de papéis e lugares específicos, e também alcança mulheres que habitam corpos masculinos.

Por fim, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão ressaltou a palavra "democracia". Na avaliação de Deborah Duprat, a ideia de que mulheres devam ocupar mais cargos políticos e de liderança decorre do imperativo democrático de que instituições públicas devem refletir o perfil demográfico da população brasileira.  Segundo ela, como há um Estado Democrático de Direito, e as lei são feitas majoritariamente por homens, toda a sociedade fica refém de universos jurídicos e simbólicos masculinos.

A representante da ONU Mulheres, Fernanda Papa, apresentou dados de um estudo da União Interparlamentar sobre a forma como as mulheres ocupam os espaços de poder. Conforme explicou, a pesquisa envolveu deputadas de 39 países no debate sobre a violência política. Os dados apontam que cerca de 81,8% das mulheres entrevistadas relataram ter sofrido violência psicológica no exercício de suas atividades e que 44,4% disseram já ter recebido ameaças. Ainda segundo a representante da ONU Mulheres, o estudo da União Interparlamentar apontou que 25,5% das entrevistadas disseram já ter vivenciado violência física dentro do parlamento. Para 38,7% delas, a violência política minou tanto a implementação de seus mandatos quanto sua liberdade de expressão.

Informativos

2020

2019

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: