Sections
You are here: Home Informativos Edições 2019 Abril PFDC pede providências ao Ministério do Meio Ambiente para assegurar participação social no Conama
Document Actions

PFDC pede providências ao Ministério do Meio Ambiente para assegurar participação social no Conama

2019-04-04 12:09

Pasta violou garantias constitucionais e o próprio regimento interno do Conselho Nacional do Meio Ambiente, comprometendo participação democrática no colegiado

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, recebeu um prazo de dez dias para participação socialinformar à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão do Ministério Público Federal, quais as providências adotadas diante da série de violações a prerrogativas legais e constitucionais durante a 59ª Reunião Plenária Extraordinária do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), realizada em 20 de março, sob sua presidência.

 

Descumprimento do regimento interno, bloqueio no acesso de conselheiros suplentes e de observadores, marcação prévia de assentos e, inclusive, agressões físicas compõem um relato sobre a reunião encaminhado em Representação à PFDC pela procuradora regional da República Fátima Borgui, que representa o Ministério Público Federal no Conselho.

 

O Conama é o órgão consultivo e deliberativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente e foi instituído pela Lei 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Além do Ministério Público Federal, o colegiado conta com representantes de cinco segmentos: órgãos federais, estaduais e municipais, setor empresarial e sociedade civil.

 

Embora seu regimento interno determine que as reuniões são públicas, conselheiros suplentes e observadores do Conama foram injustificadamente impedidos de participar da 59ª Reunião Plenária do Conselho, sendo constrangidos por seguranças armados a permanecer em locais separados, com transmissão remota e sem possibilidade de intervenção nos trabalhos. Houve ainda agressão ao presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Espírito Santo.

 

Durante a reunião, também foi determinada a inusitada separação entre membros titulares e suplentes, por meio da alocação de assentos segundo ordem alfabética – prejudicando especialmente representantes da sociedade civil.

 

No pedido de esclarecimentos encaminhado ao ministro Ricardo Salles, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão destaca que a participação social é um imperativo constitucional e que deve estar presente em todos os espaços que orientam políticas públicas, além de fortalecer o regime democrático e o controle da gestão pública.

 

O órgão do Ministério Público Federal aponta que essa exigência é especialmente reforçada no capítulo constitucional que trata de meio ambiente, uma vez que, além de ser “bem de uso comum do povo”, cabe ao “Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.


Além das providências diante dos fatos ocorridos, a PFDC também pede ao ministro Salles que reporte as ações que pretende adotar para que essas violações não voltem a ocorrer. A resposta deve vir acompanhada da ata da 59ª Reunião Extraordinária.

Informativos

2019

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: