Sections
You are here: Home Informativos Edições 2019 Abril “Extinção do Consea desorganiza sistema que possibilitou ao Brasil sair do Mapa Mundial da Fome”, alerta PFDC
Document Actions

“Extinção do Consea desorganiza sistema que possibilitou ao Brasil sair do Mapa Mundial da Fome”, alerta PFDC

2019-04-25 20:08

O direito humano à alimentação adequada e os impactos da sociais da MP 870/2019 foram discutidos em uma série de audiências públicas no Congresso Nacional

Os impactos sociais impostos pela Medida Provisória 870/2019 – editada em 1º deAudiência Pública Consea janeiro para reestruturação administrativa do governo federal – foram tema de uma série de audiências públicas promovidas nesta semana pelo Congresso Nacional e que contaram com a participação da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal.

A MP 870 alterou a organização dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios, além de mudar atribuições e a estrutura dessas pastas e de outras repartições. Entre suas ações, a medida estabeleceu o monitoramento governamental de organizações sociais no Brasil, além de extinguir o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), órgão que tinha como missão propor diretrizes para assegurar o direito a uma alimentação adequada.

“Esses foram os dois pontos essenciais de preocupação da PFDC. São duas matérias que se aproximam exatamente no que diz respeito à garantia de participação social, um direito fundamental”, ressaltou a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, durante a audiência pública sobre o tema promovida na quarta-feira (24) pelo Senado Federal. A representante do MPF destacou que é natural a adoção de uma reforma administrativa a cada nova gestão governamental, mas alertou que direitos fundamentais não podem ser suscetíveis a desestruturação organizacional.

“Há uma jurisprudência já bastante consolidada de que os direitos fundamentais têm um aspecto material, mas também um organizacional. Significa, portanto, que não se pode desmontar a estrutura que sustenta administrativamente a realização de um direito sem que medida equivalente, ou melhor, seja implementada em substituição”.

Segundo Deborah Duprat, esse vácuo desorganiza, por completo, a tríade instituída pela Lei 11.346/2006, que criou o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan) – do qual faz parte o Consea – e que possibilitou ao Brasil ser retirado, em 2004, do Mapa Mundial da Fome.

Participação social nas políticas públicas 
O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional era um órgão consultivo diretamente ligado à Presidência da República – um espaço de participação da sociedade civil na formulação e avaliação de políticas públicas na área. O conselho foi criado em 1993, pelo então presidente Itamar Franco, e revogado no governo Fernando Henrique Cardoso com a criação do Programa Comunidade Solidária. Em 2003, o Consea foi restabelecido pela Lei 10.683, com suas características centrais de articulação, intersetorialidade, descentralização e participação social.

“O Consea permitiu ao Brasil estabelecer um conceito de segurança alimentar que incorpora propostas, vivências e sabedorias dos diferentes setores da sociedade e busca fazer a união entre duas grandes dimensões: a produção de alimentos e a saúde”, explicou Elisabetta Recine, ex-presidente do Conselho. Segundo Elisabetta, esse modelo – reconhecido internacionalmente – permitiu atuar de uma maneira sistêmica diante de um dos problemas mais fundamentais no Brasil: a fome.

Para Deborah Duprat, o desmonte dessa estrutura torna-se ainda mais grave diante das políticas de austeridade atualmente implementadas no País – especialmente a Emenda do Teto de Gastos, que congelou por 20 anos investimentos públicos na área de saúde, educação e assistência.

É dessa perspectiva que compartilha a organização Articulação Semiárido Brasileiro, também presente à audiência: “extinguir o Consea é e condenar os mais pobres, sobretudo do Semiárido, da região Norte e das periferias das cidades, à miséria e à fome. Nós queremos políticas de Estado que promovam a vida, e não que tragam mortes”.

Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e Nutricional 
Também na quarta-feira, a PFDC participou do lançamento, na Câmara dos Deputados, da Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e Nutricional. A frente retoma experiência de 2007, com o intuito de ser uma ferramenta de apoio à tramitação de propostas legislativas que ajudem a democratizar o acesso regular e permanente de todos os brasileiros à alimentos de qualidade.

Já nesta quinta-feira, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão participou da audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados e que também teve como tema o direito humano à alimentação adequada e os impactos da MP nas políticas públicas de segurança alimentar e nutricional. O diálogo contou com a participação de parlamentares, organizações sociais e especialistas.

Um total de 541 emendas à MP 870/2019 já foram apresentadas por deputados e senadores. Ao menos 12% delas reivindicam a manutenção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Com o objetivo de contribuir nessa análise, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão encaminhou ao Congresso Nacional, em fevereiro, uma Nota Técnica com um conjunto de argumentos que demonstram a inconstitucionalidade dos dispositivos da MP que desmontam atribuições e responsabilidades do Consea.

Além dos subsídios aos parlamentares, a PFDC também encaminhou à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, uma representação solicitando que seja enviado ao Supremo Tribunal Federal um pedido de análise da inconstitucionalidade dos dispositivos da MP 870 que extinguem o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Informativos

2019

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: