Sections
You are here: Home Informativos Edições 2018 Outubro PFDC e Andifes discutem medidas para assegurar políticas de cotas nas universidades brasileiras
Document Actions

PFDC e Andifes discutem medidas para assegurar políticas de cotas nas universidades brasileiras

2018-10-31 18:18

Além das comissões de verificação, esteve em debate a reserva de vagas para docentes pretos e pardos

A adoção de medidas para garantir a implementação da política de cotas raciais nas universidades e institutos federais em todo o país foi tema de diálogo entre a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF) e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

A questão esteve na pauta da 121ª Reunião Extraordinária do Conselho Pleno da Andifes, realizada ontem (30/10) e que contou com a participação da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e da coordenadora do Grupo de Trabalho da PFDC sobre Enfrentamento e Prevenção ao Racismo, a promotora de Justiça do MP/BA Lívia Sant Anna Vaz.

Reunião AndifesNo diálogo, a PFDC ressaltou a importância dessa política pública como mecanismo para assegurar a promoção da diversidade e de uma sociedade livre, justa e solidária, conforme estabelece a Constituição Federal.

Em abril deste ano, a PFDC solicitou a 63 universidades e 41 institutos federais de todo o país que informassem se adotam comissões de verificação para atestar a veracidade da autodeclaração de pretos e pardos no sistema de acesso via cotas raciais. O levantamento também busca identificar quais normas esses estabelecimentos adotam na composição das referidas comissões, assim como os critérios e os modos de decisão dessas instâncias.

As comissões de verificação têm sido instituídas por universidades e institutos federais como mecanismo para evitar fraudes no acesso à política de cotas raciais nessas instituições. A PFDC também solicitou informações sobre a oferta da disciplina sobre “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” na grade acadêmica de cursos de licenciatura e bacharelado dessas instituições. A medida busca identificar o grau de implementação das Leis 10.639/2003 e 11.645/2008, em razão da necessidade de capacitação de professores na temática.

Reserva de vagas para docentes
Durante a reunião na Andifes, a coordenadora do GT Enfrentamento e Prevenção ao Racismo pediu a reitores a adoção de medidas para assegurar o cumprimento da reserva de cotas raciais também nos processos de seleção dos docentes. De acordo com a Lei º 12.990/2014, 20% das vagas nos concursos públicos federais devem ser reservadas para candidatos pretos e pardos. A legislação estabelece a cota somente em concursos que ofereçam três ou mais vagas.

“A fragmentação na oferta das vagas – que costumam ser disponibilizadas de modo fragmentado, a partir de departamentos específicos – por vezes tem dificultado o efetivo cumprimento da política de cotas raciais, pois não se atinge o número mínimo de vagas para os quais a legislação estabelece a reserva”, apontou Lívia Vaz.

Na oportunidade, reitores de universidades federais de diferentes regiões do país puderam compartilhar experiências que já vêm sendo adotadas na área. Entre elas, a Federal da Bahia (UFBa), a de Pernambuco (UFPE), a de Juiz de Fora (UFJF) e a Federal do Ceará (UFC).

A proposta é que, a partir de um diálogo coordenado entre Ministério Público e dirigentes das instituições de ensino superior, possa ser estabelecida uma padronização mínima nos editais de oferta de vagas – de modo a evitar, inclusive, eventuais pedidos de judicialização. “Queremos construir uma solução conjunta, respeitando a autonomia universitária”, reforçou Deborah Duprat.

Informativos

2018

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: