Sections
You are here: Home Informativos Edições 2018 Maio Relação entre democracia e políticas de cuidado em saúde mental é tema de diálogo com a PFDC
Document Actions

Relação entre democracia e políticas de cuidado em saúde mental é tema de diálogo com a PFDC

2018-05-18 15:36

Atividade marca o Dia Nacional da Luta Antimanicomial e as mobilizações que resultaram na lei que instituiu a reforma psiquiátrica brasileira

É celebrado hoje, 18 de maio, o Dia Nacional da Luta Antimanicomial. A data remonta ao lançamento, em 1987, da Carta de Bauru – documento que inaugura uma nova trajetória no modelo de atenção à saúde mental no País e que resultou na Reforma Psiquiátrica Brasileira (Lei 10.216/2001).

Dia Nacional da Luta Antimanicomial Na quinta-feira, no marco das celebrações pela data, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, participou de debate acerca da relação entre democracia e o cuidado em saúde mental. A PFDC destacou a interface entre o movimento antimanicomial e outras lutas travadas no processo fundador da Constituição de 1988, o que buscou romper o modelo de privilégios a partir da construção de uma sociedade assentada em um catálogo de direitos iguais a todos.

“Alinhada às lutas pelo fim da hegemonia do saber e da própria ocupação de espaços e de modos de existência, a reforma psiquiátrica marca o rompimento com uma tradição de exclusão, compondo um modelo pensado pela Constituição Cidadã onde todos tenham o direito de se expressar e ser como é”.

Deborah Duprat pontuou que o manicômio, enquanto local de contenção, guarda suas similaridades com outros espaços também historicamente destinados a apartar os considerados socialmente indesejáveis – como é o caso dos presídios, onde a população negra e das periferias é absoluta maioria.

Para a procuradora dos Direitos do Cidadão é preciso defender o pacto social estabelecido pela Constituição de 88 e enfrentar a retomada de modelos que buscam resgatar a ideia de isolamento como forma de cuidado a pessoas com transtorno mental – como é o caso das comunidades terapêuticas.

O diálogo foi promovido pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) e também contou com a participação de Paulo Amarante – presidente de honra da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme) – e de Thiago Petra, integrante do Movimento Pró-Saúde Mental do Distrito Federal.

Proteção de direitos – A atuação da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão no direito à saúde mental tem como base os princípios estabelecidos pela Lei da Reforma Psiquiátrica (Nº 10.216/2001), a Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência e a Lei Brasileira de Inclusão (Nº 13.146/2015), entre outras normativas.

Esse amplo arcabouço legal é claro ao designar que a atenção em saúde a essa população deve ser dar a partir de um modelo de cuidado aberto e de base comunitária, orientado pelo respeito à dignidade da pessoa humana. Nesse sentido, a PFDC busca assegurar que as políticas públicas implementadas pelo Estado brasileiro estejam orientadas para o fim da internação em instituições com características asilares e para o atendimento a partir de uma rede de serviços comunitários – tendo como referência o Sistema Único de Saúde (SUS).

Desde 2017, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão conta com um grupo de trabalho dedicado ao tema. O coletivo tem atuado, sobretudo, diante das ameaças de desmonte da atual política nacional de saúde mental – ancoradas na proposta do governo federal de alterar o modelo e o financiamento da Rede de Atenção Psicossocial, além de ampliar a concessão de recursos públicos às chamadas comunidades terapêuticas – cujo modelo de atuação se dá à revelia das diretrizes firmadas pela Lei 10.216/01.

Nessa perspectiva, em outubro de 2017 a PFDC integrou uma inspeção nacional em comunidades terapêuticas nas cinco regiões do Brasil. Realizada em conjunto com o Conselho Federal de Psicologia e o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, a ação vistoriou simultaneamente mais de 28 comunidades terapêuticas nos estados do Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal. O relatório final das inspeções deve ser apresentado ainda neste semestre.

Informativos

2018

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: