Sections
You are here: Home Informativos Edições 2018 Maio PFDC integra debate sobre enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes
Document Actions

PFDC integra debate sobre enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes

2018-05-18 19:39

Diálogo marca as mobilizações no âmbito do 18 de Maio: Dia Internacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual

Os impactos do desmonte de políticas públicas na ocorrência de violência sexual contra a população infanto-juvenil esteve no foco dos debates do “2º Congresso Brasileiro de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes”, realizado entre os dias 14 e 16 de maio, em Brasília/DF, e que contou com a participação da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat.

II Congresso Brasileiro de Combate à Exploração Sexual de Crianças e AdolescentesO evento reuniu gestores públicos, parlamentares, representantes de movimentos sociais, organizações da sociedade civil, judiciário, pesquisadores e adolescentes de todo o território nacional para discutir o fenômeno da violência e as possibilidades e alternativas conjuntas para seu enfrentamento.

O diálogo teve como tema central “Outros olhares, reflexões e práticas na defesa dos direitos humanos sexuais de crianças e adolescentes” e buscou oportunizar um espaço para troca de experiências e reflexão sobre essa grave violação de direitos.

Compondo o eixo de debates “Diversidades e Equidades”, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão pontuou que a compreensão acerca dos direitos sexuais e reprodutivos para crianças e adolescentes foi formalmente firmada em 1994, durante a Conferência do Cairo, onde também se apontou a importância do ambiente escolar como espaço para debater essas garantias. 

“Reconhecia-se a necessidade de possibilitar a crianças e adolescentes a compreensão desses direitos e do legado de sociedades marcadas pela dominação patriarcal e pelo não reconhecimento da alteridade dos sujeitos considerados fora de um determinado campo de poder – como é a história da sociedade brasileira”.

Deborah Duprat destacou que a Constituição Federal de 1998 inaugura um modelo que busca exatamente a construção de uma sociedade mais igual, cujo o investimento público deveria ser direcionado especialmente para as áreas capazes de enfrentar nossas assimetrias históricas: a educação, a saúde e a assistência social. 

“Nesse contexto, há dois espaços estratégicos: a escola – que é o ambiente próprio para se recontar a história dessas várias presenças silenciadas na sociedade – e os museus, onde se constroem as narrativas do simbólico e do imaginário. Não por acaso, são espaços que têm sido recorrentemente atacados”.

Para a PFDC,  o conjunto de direitos estabelecidos pela Constituição de 88 vinha permitindo ao País  a construção desse projeto mais igualitário de sociedade – por meio de ações raciais afirmativas, da busca pela valorização do professor e de fazer dos espaço públicos ambientes mais plurais. “O que estamos vivendo na atualidade, entretanto, é a tentativa de um retorno a um ambiente escolar que pretende calar as vozes que são a expressão da diversidade. Algo como o que ocorreu no período de ditadura: censura sobre o que se fala, controle dos corpos e dos espaços de circulação”.

Dia Nacional de Luta – O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes marca as mobilizações para o enfrentamento a essa grave violação de direitos. A data foi escolhida porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou o País e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. Esse era o nome de da menina de oito anos de idade, que foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune.

Informativos

2018

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: