Sections
You are here: Home Informativos Edições 2018 Maio PFDC e sociedade civil querem mecanismos para monitoramento das recomendações RPU para proteção de direitos humanos
Document Actions

PFDC e sociedade civil querem mecanismos para monitoramento das recomendações RPU para proteção de direitos humanos

2018-05-25 16:11

Em 2017, o Brasil recebeu 246 recomendações durante a III Revisão Periódica Universal, da ONU. Audiência pública debateu cumprimento das medidas

Audiência Pública CDHM - RPUA elaboração de um plano de monitoramento do Estado brasileiro para o cumprimento das recomendações recebidas durante a terceira Revisão Periódica Universal (RPU) foi tema de audiência pública realizada nesta semana pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias  da Câmara dos Deputados. O diálogo reuniu parlamentares, membros do governo e de organizações que compõem o Comitê Brasileiro de Direitos Humanos e Política Externa (CBDHPE) – entre elas, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC).


A Revisão Periódica Universal é uma avaliação mútua realizada, a cada quatro anos, entre os Estados membros das Nações Unidas a fim de analisar a situação de direitos humanos em cada uma dessas nações. No último ciclo da RPU, em 2017, o Brasil recebeu 246 recomendações que tratam de temas como o fim da violência de gênero, violações a povos indígenas e comunidades tradicionais, desigualdades sociais e a crise no sistema penitenciário.


Durante a audiência pública, o secretário-executivo adjunto do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), Marcelo Varella, apresentou relatório no âmbito das secretarias e áreas de atuação do MDH (Cidadania, Igualdade Racial, Pessoas com Deficiência e Criança e Adolescente). Para os debatedores, além de parcial, o documento é pouco transparente acerca dos critérios metodológicos adotados. Também foi questionada a referência a ações e políticas que já haviam sido implementadas em ciclos anteriores da RPU – e que não respondem, portanto, às violações identificadas pelos países que integram a ONU durante a revisão ao Brasil feita em 2017.


Para a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, a implementação das recomendações RPU passa, necessariamente, pelo enfrentamento de dois grandes desafios. “O primeiro é efetivar o controle social, apesar do atual cenário de esvaziamento dos espaços participativos, contemplando o engajamento dos segmentos vulnerabilizados e mais impactados pelas violações do Estado. O segundo diz respeito à revogação da Emenda Constitucional 95, que estabeleceu um teto de gasto para políticas públicas no campo da saúde, educação e assistência social – implicando em retrocessos diretamente ligados aos problemas já apontados pela Revisão Periódica Universal”.


Fernanda Lapa, do Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), deu ênfase às características necessárias aos mecanismos de monitoramento. Entre elas, a sistematização dos conteúdos, a criação de um comitê interministerial, a elaboração de indicadores de cumprimento das metas, a construção de uma metodologia com participação da sociedade civil, a promoção de consultas públicas, a entrega dos relatórios e o compromisso com a transparência nos processos.


O representante do Comitê Brasileiro de Direitos Humanos e Política Externa, Rodrigo Deodato, frisou o papel do poder Legislativo no cumprimento das recomendações, destacando a tramitação de projetos relacionados à questão indígena e de proteção a crianças e adolescentes, bem como políticas de proteção a defensores de direitos humanos. Para ele, é importante que se tenha um relatório parcial que demonstre claramente como as sugestões da RPU têm sido adotadas pelos entes governamentais.


Compromisso – De acordo com o Ministério dos Direitos Humanos, a pasta pretende criar um grupo de trabalho com a participação de outros órgãos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como da sociedade civil, visando a construção do relatório de meio período a ser entregue às Nações Unidas no próximo ano. O representante do MDH também anunciou que deverá ser reativado o Observa DH – uma plataforma de acesso público, disponibilizada pela então Secretaria de Direitos Humanos, e que reunia recomendações dirigidas ao Brasil sobre temas de direitos humanos. A proposta é que o canal possibilite acompanhar a situação de cumprimento dessas medidas.


Atuação – Em fevereiro de 2018, a PFDC, em conjunto com as organizações da sociedade civil que compõem o Comitê Brasileiro de Direitos Humanos e Política Externa, realizou ampla audiência pública para debater a implementação e o monitoramento das recomendações recebidas pelo Estado brasileiro durante o terceiro ciclo da RPU. Na ocasião, foram apresentadas as experiências do Paraguai e do Uruguai no intuito de subsidiar os debates para as ações a serem adotadas no Brasil. Além disso, por meio do CBDHPE, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão viabiliza regularmente videoconferências com a participação da sociedade civil e representantes do Ministério das Relações Exteriores e do MDH para avaliar o cumprimento dos acordos assumidos em âmbito internacional.

Informativos

2018

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: