Sections
You are here: Home Informativos Edições 2018 Agosto PFDC quer inconstitucionalidade de lei em Petrolina/PE que proíbe debate sobre diversidade e educação sexual
Document Actions

PFDC quer inconstitucionalidade de lei em Petrolina/PE que proíbe debate sobre diversidade e educação sexual

2018-08-08 17:22

Representação para que a norma seja suspensa foi encaminhada à procuradora-geral da República, a quem cabe ingressar com ações perante o STF

O Grupo de Trabalho Direitos Sexuais e Reprodutivos, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF), encaminhou à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, representação pedindo que seja questionada a constitucionalidade da Lei no 2.985, publicada pelo município de Petrolina/PE, em 19 de dezembro de 2017.

A legislação proibiu todas as escolas públicas e privadas da localidade de realizarem atividades Inconstitucionalidade de lei em Petrolina/PE - debate sobre diversidade e educação sexualpedagógicas que versem ou façam referência a temas relacionados a diversidade sexual, educação sexual ou “ideologia de gênero”, afrontando as garantias asseguradas pela constituição brasileira no que se refere ao direito à educação.

Na representação à PGR, os procuradores que integram o Grupo de Trabalho destacam que a atuação dos municípios na edição de leis que disponham sobre diretrizes e bases da educação viola o princípio do pacto federativo, visto que a disciplina da matéria cabe privativamente à União. Além disso, a despeito de sua aparente neutralidade, a legislação pernambucana veda a adoção de qualquer política de ensino que aborde questões de gênero e educação sexual, assim como a transmissão de quaisquer conteúdos que possam estar em desacordo com as convicções morais e religiosas dos pais.

“É clara a violação a direitos fundamentais como educação, liberdade de ensino, liberdade de manifestação do pensamento do corpo docente e do direito da criança, do adolescente e do jovem a ser colocado a salvo de toda forma de discriminação e violência”, apontam os representantes da PFDC.

O Grupo de Trabalho destaca ainda que a abordagem da temática gênero e orientação sexual no ambiente educacional não possui finalidade ideológica, mas uma sólida base acadêmica e que visa à construção de uma escola democrática e plural e, como consequência, uma sociedade com tais características. “Elemento fundamental para coibir as violações sistemáticas a direitos humanos no Brasil decorrentes de preconceitos de gênero e orientação sexual, que atingem majoritariamente crianças e jovens”.

Foi com base nessa compreensão, inclusive, que o próprio Supremo Tribunal Federal deferiu medida cautelar em outras legislações semelhantes. A primeira delas se deu na liminar concedida em 2017 pelo ministro Luís Roberto Barroso na ADI 5537 e que suspendeu a integralidade da Lei 7.800/2016, de Alagoas, que instituiu o programa Escola Livre no estado. Em julho deste ano, o ministro Dias Toffoli concedeu liminar na ADPF 526, suspendendo dispositivo da Lei Orgânica do Município de Foz do Iguaçu/PR que proibia a rede municipal de ensino de abordar conteúdo relacionado a questões de gênero ou orientação sexual.

Diante das graves violações aos preceitos basilares da Constituição Federal e de inúmeros tratados internacionais que protegem o princípio da dignidade humana, assim como dos danos irremediáveis às liberdades fundamentais de crianças e adolescentes matriculadas em unidades de ensino no município pernambucano, o Grupo de Trabalho Direitos Sexuais e Reprodutivos propõe que seja solicitado ao STF a suspensão da eficácia da lei no 2.985/2017, até o julgamento final da ADPF.

Acesse aqui a íntegra da representação.

Informativos

2018

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: