Sections
You are here: Home Informativos Edições 2017 Outubro No Dia Mundial da Saúde Mental, PFDC reafirma necessidade de políticas públicas pautadas pela inclusão e a dignidade humana
Document Actions

No Dia Mundial da Saúde Mental, PFDC reafirma necessidade de políticas públicas pautadas pela inclusão e a dignidade humana

2017-10-10 12:03

Ações devem atender a Lei 10.216/2001, que instituiu a Reforma Psiquiátrica no Brasil, com enfoque na desinstitucionalização e em serviços extra-hospitalares

Neste 10 de outubro – data que marca o Dia Mundial da Saúde Mental – a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, reafirma a necessidade de assegurar às pessoas com transtorno mental a oferta de serviços que tenham como perspectiva central o direito à saúde, a inclusão e a garantia dos direitos humanos.

 

Essas diretrizes estão pautadas na Lei Nº 10.216/2001, que instituiu a Reforma Psiquiátrica no Brasil e determinou um redirecionamento do modelo assistencial em saúde mental, tendo como enfoque a desinstitucionalização do atendimento psiquiátrico e o fortalecimento dos serviços extra-hospitalares. O objetivo é assegurar uma atenção multidisciplinar, focada na inclusão e na autonomia das pessoas com transtorno mental, a partir de um novo arranjo dos serviços e dos investimentos públicos na área.

 

Saúde mental


“A Lei da Reforma Psiquiátrica redirecionou o modelo assistencial na área, orientando para a desinstitucionalização do atendimento, que deve se dar por meio de uma rede comunitária de atenção psicossocial. O enfoque está no atendimento a partir de políticas públicas que possam garantir a essas pessoas a reintegração pela inserção na família, no trabalho e na sociedade”, destaca o Grupo de Trabalho Direito à Saúde Mental, criado em 2017 para a implementação e fortalecimento da política nacional de saúde mental no País.

 

Atendimento em rede – Embora a internação psiquiátrica seja prática ainda presente, a Lei 10.216/2001 restringe esse tipo de medida, orientando para que seja adotada apenas nas hipóteses em que métodos terapêuticos extra-hospitalares não se mostram eficazes. “A legislação é clara: havendo necessidade de internação, ela deve se dar pelo menor tempo possível e com os métodos menos invasivos”, destaca a PFDC.


Para isso, destaca a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, é indispensável a efetiva implementação da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), que busca ampliar o acesso à atenção psicossocial por meio da oferta de serviços no âmbito do Sistema Único de Saúde. Regulamentada pela Portaria Nº 3088/2011, a RAPS busca garantir a articulação e integração dos pontos de atenção das redes de saúde em todo o território, qualificando o cuidado por meio do acolhimento, do acompanhamento contínuo e da atenção às urgências.


Desinstitucionalização psiquiátrica – Em 2014, o projeto de desinstitucionalização de pacientes mantidos em hospitais psiquiátricos de longa permanência na região de Sorocaba (SP) foi o vencedor, na categoria Ministério Público, do Prêmio Innovare. A premiação reconheceu os trabalhos realizados no âmbito do Termo de Ajustamento de Conduta que envolveu União, estado e município. O objetivo do TAC é implementar uma política de desinstitucionalização psiquiátrica e reorganizar a Rede de Atenção Psicossocial em municípios da região – assegurando o cumprimento da Lei 10.216/2001. O Termo de Ajustamento de Conduta foi assinado em dezembro de 2012. Nele, o Ministério Público Federal, o Ministério Público Estadual, o Estado de São Paulo, a União e os municípios de Sorocaba, Salto de Pirapora e Piedade assumem o compromisso de enfrentar os problemas no atendimento dos sete hospitais psiquiátricos particulares da região.

 

Saiba mais.

Informativos

2017

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: