Sections
You are here: Home Informativos Edições 2017 Novembro Em reunião com representantes das Nações Unidas, PFDC apresenta panorama dos direitos humanos no Brasil
Document Actions

Em reunião com representantes das Nações Unidas, PFDC apresenta panorama dos direitos humanos no Brasil

Sob a perspectiva da Revisão Periódica Universal, encontro teve como objetivo destacar o potencial engajamento do Sistema ONU acerca dos principais desafios na área

A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, esteve reunida nessa segunda-feira (27/11) com a Equipe de País das Nações Unidas (UNCT) para discutir sobre o cenário dos direitos humanos no Brasil, especialmente sob a perspectiva da Revisão Periódica Universal (RPU), com o objetivo de destacar o potencial engajamento do Sistema ONU acerca dos principais desafios na área.

A procuradora afirmou que muitos dos desafios estão relacionados à Emenda Em reunião com representantes das Nações Unidas, PFDC apresenta panorama dos direitos humanos no BrasilConstitucional nº 95/2016, que congela por 20 anos os investimentos em políticas sociais, paralisando, assim, as estratégias que existiam até o momento para fazer face às desigualdades econômicas e sociais. “Isso tem um impacto, além de tudo, no compromisso assumido pelo Brasil em relação aos ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável] porque o eixo central organizador dos ODS é exatamente o combate à pobreza, à miséria extrema e às desigualdades. Então, nós temos uma política que contraria compromissos assumidos internacionalmente”, afirmou.

Deborah Duprat também falou sobre as questões relacionadas aos povos indígenas, às populações tradicionais e às especificidades do campo, sinalizando que a paralisação nas demarcações de terras e na reforma agrária, entre outros aspectos, tem gerado cada vez mais conflito e violência nas áreas rurais. “Como foi visto no âmbito da RPU, nós estamos em um momento de absoluto imobilismo em relação a essas questões”, afirmou.

Os problemas nas grandes cidades também foram apontados pela procuradora, que destacou a violência que atinge, sobretudo, a população em situação de rua e as periferias dos grandes centros. Nesse sentido, também criticou o enfraquecimento dos espaços de participação social, necessários ao controle das políticas públicas.

Educação – No aspecto relacionado à educação, a procuradora alertou para a expansão de projetos de lei, em âmbito municipal, que incorporam o projeto Escola sem Partido em suas diretrizes educacionais, medida que, além de violar o pacto federativo, também inibe a adoção de políticas de ensino para a construção de uma escola democrática e plural.

Saúde – No âmbito da saúde, Deborah Duprat destacou ações que vêm sistematicamente comprometendo o Sistema Único de Saúde (SUS), reconhecido internacionalmente por seu caráter democrático de acesso da população às redes de atendimento. Nesse sentido, criticou o Plano de Saúde Acessível, proposta elaborada pelo Ministério da Saúde que busca oferecer planos de saúde com preços mais baixos, porém, com menor cobertura, fazendo com que não se tenha garantia de melhoria na assistência às comunidades. “A população de baixa renda acaba sendo duplamente comprometida porque ela teria um plano que não atende em termos de saúde e, além disso, os recursos do SUS estariam comprometidos com a alta complexidade”, frisou.

Trabalho – O atraso na publicação da lista suja do trabalho escravo e a recente publicação da portaria do Ministério do Trabalho que altera os conceitos de trabalho forçado, jornada exaustiva e condições análogas à de escravo também foram pontos sensíveis na reunião. Em outubro, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) recomendaram ao ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a revogação da Portaria MTB Nº 1129/2017. “Quando a gente retrocede em políticas desse tipo a gente gera uma violência do centro contra a periferia, contra os historicamente estigmatizados”, afirmou a procuradora.

Sistema Socioeducativo – A redução da maioridade penal, o aumento do tempo de internação de adolescentes em conflito com a lei e a falta de cumprimento do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) foram apontados com preocupação por Deborah Duprat na medida em que as várias medidas em tramitação no Congresso Nacional violam os direitos desses meninos e meninas e colocam em risco, inclusive, a integridade desses jovens. Em recente missão ao sistema socioeducativo no estado do Ceará, a procuradora afirmou ter encontrado inúmeras situações nas quais as unidades de internação reproduzem padrões inapropriados do sistema prisional adulto. “Não há educação, não há lazer, não há esporte, não há nada”, denunciou.

Informativos

2017

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: