Sections
You are here: Home Informativos Edições 2017 Maio PFDC discute adoção de nome social em reunião do Conselho Nacional de Educação
Document Actions

PFDC discute adoção de nome social em reunião do Conselho Nacional de Educação

2017-05-11 15:55

 

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão foi convidada a contribuir juridicamente nas reflexões acerca do uso nome social para estudantes transexuais, travestis e transgêneros

A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, esteve nesta semana em reunião da comissão bicameral sobre Direitos Humanos e sua Expressão no Cotidiano da Escola Brasileira (Orientação Sexual, Identidade de Gênero e Nome Social), do Conselho Nacional de Educação. A PFDC foi convidada a contribuir juridicamente nas reflexões da Comissão acerca do uso do nome social para estudantes travestis, transexuais e transgêneros.

cne

Na ocasião, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão destacou a importância do debate sobre o tema e ressaltou que o direito ao uso do nome social está amparado pela ordem jurídica, constitucional e legal: "é a garantia do direito à igualdade, à dignidade, à privacidade e a estar livre de todas as formas de discriminação, conforme preconiza a Constituição Federal”.

A PFDC também registrou a necessidade de que o Conselho Nacional de Educação esteja atento aos impactos das mudanças realizadas pelo MEC na proposta de Base Nacional Comum Curricular, da qual foram excluídas questões relacionadas a identidade de gênero e orientação sexual. “É preciso compreender a escola como um espaço de acolhimento a todas as expressões da diversidade e o sistema de justiça vem se posicionando nesse sentido, por exemplo, na avaliação de propostas como as do Escola Sem Partido”, destacou a PFDC.

Uma nota técnica da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão apontou a inconstitucionalidade das sugestões do projeto, que busca eliminar discussões em sala de aula sobre gênero, religião e sexualidade. O procurador-geral da República também se posicionou contrariamente à chamada “lei da mordaça” do estado de Alagoas – que acabou sendo suspensa por liminar do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal.

Recentemente, a Organização das Nações Unidas (ONU) encaminhou ao governo brasileiro documento no qual denuncia iniciativas legislativas no País que buscam cercear o debate sobre questões de gênero, religião e sexualidade. O documento alerta que esse tipo de restrição pode representar violações de direitos humanos.

Além da representante do Ministério Público Federal, também participou como convidada do diálogo a professora Luma Andrade, do Instituto de Humanidades e Letras. Luma foi a primeira travesti a conquistar o título de doutora e a ocupar o cargo de professora de uma universidade pública federal no Brasil. “A discriminação e o preconceito constituem enorme barreira ao ingresso e à permanência de travestis e transgêneros no ambiente escolar. A adoção do uso no nome social pelo sistema de ensino é medida para assegurar direitos a essa população historicamente marcada pelo não lugar – familiar, religioso e nas instituições”, declarou.

Já Antônio Lacerda, da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e representante do Conselho Nacional dos Direitos da Criança (Conanda), destacou que a adoção do uso do nome social nas unidades de ensino é defendida pelo Conanda como uma garantia de direitos dessa população.

De acordo com a presidente da Comissão, a conselheira Malvina Tutiman, a proposta é elaborar parecer sobre o tema que será apresentado ao pleno do Conselho Nacional de Educação a fim de criar diretrizes acerca do uso do nome social nos estabelecimentos de ensino de todo o País. A reunião deve acontecer na segunda quinzena de agosto.

Informativos

2017

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: