Sections
You are here: Home Informativos Edições 2017 Abril Igualdade de gênero: PFDC aciona PGR para invalidar lei discriminatória do município de Sorocaba
Document Actions

Igualdade de gênero: PFDC aciona PGR para invalidar lei discriminatória do município de Sorocaba

2017-04-17 17:51

 

Legislação proíbe o uso, em função da identidade de gênero, de banheiros e vestiários de instituições de ensino fundamental públicas e privadas

 

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, encaminhou nesta segunda-feira (17/4) ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, igualdade de gênerorepresentação para que seja apresentado ao Supremo Tribunal Federal pedido de inconstitucionalidade de lei da cidade de Sorocaba/SP que proíbe o uso de banheiro público em função da identidade de gênero.

 

A Lei Nº 11.185 foi aprovada pelo município paulista em setembro de 2015 e dispõe sobre a proibição do uso - em função da identidade de gênero - de banheiros, vestiários e demais recintos localizados em instituições de ensino fundamental públicas e privadas. A legislação estende a vedação a vestimentas, uniformes e demais elementos de indumentárias nos ambientes escolares.

 

Para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, a proibição determinada pela lei caracteriza clara ofensa ao princípio da dignidade da pessoa humana e a direitos fundamentais assegurados pela Constituição Federal, assim como a garantias consagradas em diversos diplomas internacionais.

 

"Além de violar diversos artigos da Constituição, a lei paulista também afronta princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e da Convenção Americana de Direitos Humanos, além de ferir diretrizes da Convenção Interamericana contra Toda Forma de Discriminação e Intolerância", aponta a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat.

 

A argumentação apresentada pela PFDC se fundamenta em parecer apresentado pelo próprio procurador-geral da República no âmbito de Recurso Extraordinário (RE) sobre a questão - julgado, em 2015, pelo Supremo Tribunal Federal.

 

O RE 845.779/SC narrava situação na qual uma pessoa transexual, notoriamente conhecida como mulher, foi forçada a se retirar de banheiro feminino de um shopping center por seguranças do local, sob a alegação de que a sua presença iria causar constrangimento às outras mulheres. Na ocasião, o STF decidiu pela existência de repercussão geral da matéria.

 

No parecer apresentado ao STF na ocasião, Rodrigo Janot defendeu que a proibição do uso de banheiro público em função da identidade de gênero constitui ofensa à dignidade da pessoa humana e a direitos da personalidade, especialmente de minorias vulneráveis e socialmente estigmatizadas.

 

Embora ainda não tenha ocorrido deliberação definitiva da Suprema Corte sobre o mérito da questão, o caso já conta com dois votos favoráveis ao recurso - apresentados pelos ministros Roberto Barroso e Edson Fachin. Os votos acompanham o entendimento do procurador-geral da República.

 

Violência - Dados apresentados pela Procuradoria Geral da República no parecer ao STF destacam a violência contra pessoas transexuais no Brasil. Indicadores do Projeto de Monitoramento de Assassinatos Trans (Trans Murder Monitoring - TMM Project) mostram que o Brasil é o país que mais mata pessoas trans em todo o mundo. Entre janeiro de 2008 e dezembro de 2014, entre as nações em que esses dados foram produzidos, o País lidera número absoluto de assassinatos de pessoas trans (689 homicídios). A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização de Estados Americanos (OEA) também apontou o Brasil como a nação com o maior número de mortes violentas de pessoas trans no continente, no período de janeiro de 2013 a março de 2014.

 

Para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, a manutenção de legislações que veiculem conteúdos como o da lei aprovada pelo município de Sorocaba somente servirá para o aumento do quadro de hostilidade, intolerância e preconceito contra pessoas transexuais, além de suprimir vários dos seus direitos fundamentais.

 

Acesse aqui a íntegra do pedido de inconstitucionalidade da Lei Nº 11.185.

Informativos

2017

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: