Sections
You are here: Home Informativos Edições 2017 Dezembro PFDC lança nota pública contra proposta de alteração da política de saúde mental no Brasil
Document Actions

PFDC lança nota pública contra proposta de alteração da política de saúde mental no Brasil

2017-12-13 15:41

Modificações serão votadas em reunião da Comissão Intergestores Tripartite que acontece na próxima quinta-feira (14/12), em Brasília

 

Diante das propostas de alterações na política nacional de saúde mental que estão em debate no Ministério da Saúde, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão – órgão do Ministério Público Federal – lançou nota pública na qual aponta uma série de violações à legislação brasileira contida nas medidas. 

As sugestões de modificações nas atuais diretrizes que orientam a política de saúde mental no País serão apreciadas por gestores municipais, estaduais e federais durante a reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), do Ministério da Saúde, na próxima quinta-feira (14/12), em Brasília/DF.

Nota Pública Direito à Saúde Mental

Na nota pública, a PFDC destaca que as pessoas com transtorno mental estão sob proteção da Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência, da Lei Brasileira de Inclusão e da Lei nº 10.216/2001, que instituiu a Reforma Psiquiátrica brasileira.

Esse amplo arcabouço legal é claro ao designar que a reinserção social dessa população é possível somente a partir de políticas que assegurem o convívio com a comunidade, daí a necessidade de garantir a ampliação da rede de atendimento extra-hospitalar, e não de serviços e instituições orientadas por práticas de isolamento.

“A proposta de limitar os recursos voltados a equipamentos que realizam a efetiva reinserção psicossocial dessa população – tais como os Serviços Residenciais Terapêuticos – e de deslocar esses investimentos para equipamentos segregadores – como é o caso de hospitais psiquiátricos e de comunidades terapêuticas – é medida que afronta o dever do Estado brasileiro de implantar políticas que garantam a inclusão das pessoas com deficiência”, destaca o texto.

Para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, é grave a sugestão de aumento indistinto de custeio de hospitais psiquiátricos, que descumprem frontalmente a Lei nº 10.216/2001 ao manter pacientes moradores e institucionalizados e sem a necessária reinserção psicossocial.

O órgão do Ministério Público Federal também aponta como ilegal tanto a ampliação do financiamento desses estabelecimentos quanto o corte de investimentos nos chamados serviços extra-hospitalares, essenciais para o acolhimento de pessoas em extrema vulnerabilidade social.

Impactos nos estados e municípios – A PFDC destaca que, sendo a inclusão um direito assegurado à pessoa com transtorno mental, a diminuição do financiamento federal para os serviços extra-hospitalares acabará por onerar ainda mais os orçamentos estaduais e municipais para essas ações – tendência que tem se estabelecido na última década em diversas outras áreas da atenção à saúde da população.

“É ainda preocupante a proposta de afrouxamento na fiscalização dos hospitais psiquiátricos, que mantêm milhares de pacientes institucionalizados e que são palco constante de práticas violadoras dos direitos das pessoas com transtorno mental”.

Para o Ministério Público Federal, não há como não apontar que a nova política desenhada pelo Ministério da Saúde apenas incentiva a manutenção de hospitais psiquiátricos e comunidades terapêuticas – negando às pessoas com transtorno mental o direito de serem cuidadas em serviços de reinserção social, o que viola frontalmente a Lei nº 10.216/2001.

Essa legislação também se aplica às políticas voltadas a usuários de álcool e outras drogas. Nesse sentido, o Ministério Público Federal vê com preocupação a eventual ampliação de investimentos em comunidades terapêuticas, cujo modelo de atuação está baseado em restrições à vontade e aos direitos dos usuários, assim como na exclusão do convívio com a família e a comunidade.

Para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, é inconstitucional qualquer política que limite a inclusão de pessoas com transtorno mental, como a que está sendo proposta pelo Ministério da Saúde. Nesse sentido, destaca a nota pública, o Ministério Público Federal atuará por meio de todas as medidas judiciais cabíveis para assegurar a desinstitucionalização dos pacientes de hospitais psiquiátricos e para que não se perpetue a exclusão e a violação dos direitos dessa população.

Acesse aqui a íntegra da nota pública, que é assinada pelo Grupo de Trabalho Direito à Saúde Mental.

Informativos

2017

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: