Sections
You are here: Home Informativos Edições 2016 Julho Violência contra a mulher é debatida em audiência pública no RJ
Document Actions

Violência contra a mulher é debatida em audiência pública no RJ

2016-07-18 17:14

 

Prevenção, aborto legal e cultura do estupro estiveram entre os
temas discutidos no diálogo, que contou com a participação da PFDC

Prevenção e combate à violência, cultura do estupro e aborto legal foram os principais temas discutidos na audiência pública "Violência Sexual contra a mulher: Medidas de enfrentamento, atenção e prevenção", realizada no último dia 8 na Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2). O evento recebeu cidadãos, representantes de órgãos governamentais e da sociedade civil para debater o tema com o Ministério Público Federal (MPF) e buscar soluções para a vulnerabilidade feminina na sociedade, demostrada nos casos de estupro coletivo que aconteceram no país e pela repetição desse tipo de violência.

"O MPF quer promover o diálogo com a sociedade civil, se colocando como parceiro nesse debate, para construir um plano efetivo e concreto, principalmente no aspecto preventivo", declarou a coordenadora do Núcleo de Direitos do Cidadão da PRR2, Marcia Morgado, na abertura do evento. Também presente no debate, a procuradora federal do Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, ponderou que violência contra a mulher é resultante, entre outros fatores, do inconformismo masculino com o novo papel que a mulher ocupa na sociedade. "É preciso tirar a cultura do estupro do âmbito privado. Trazer a discussão para o âmbito público, político", disse a PFDC.

Segundo Renata Giannini, pesquisadora sênior do Instituto Igarapé, think tank dedicada à integração entre segurança, justiça e desenvolvimento, os desafios centrais para a prevenção da violência contra a mulher são muitos. "A maioria das políticas voltadas para o tema estão focadas na assistência e resposta ao que já aconteceu, o que não é suficiente", disse ela. Para a pesquisadora, é preciso prevenir através de ações de emponderamento que fortaleçam o papel da mulher na sociedade, além de campanhas de conscientização, estudos e pesquisas que evidenciem esse tipo de crime e ações integradas entre os diversos órgãos governamentais. "Precisamos promover a igualdade de gênero. É fundamental redefinirmos as visões estereotipadas do que é ser mulher e do que é ser homem na sociedade", ressaltou Giannini.

A escritora e filósofa Marcia Tiburi fez diversas críticas ao que ela classificou como fundamentalistas religiosos. "Com discursos populistas, se aproveitam da fé e ignorância alheia para promover um sistema de determinações autoritárias e machistas que transformam a mulher em mercadoria", argumentou. Segundo Tiburi, a violência contra a mulher é a constante prova do machismo estrutural da sociedade: "O papel da mulher, muitas vezes se restringe à sexualidade, maternidade e beleza. Ela é vista antes pelo seu sexo e não como um ser humano", concluiu a filósofa.

A assistência hospitalar às vítimas de violência sexual foi outro ponto de destaque durante as discussões. Segundo a coordenadora da área técnica de ações contra a violência da Secretaria de Estado de Saúde, Maria Cristina Marinho, faltam profissionais de saúde disponíveis para realização de procedimento de amparo às mulheres, como o aborto legal, e que as vítimas não estão conscientes dos direitos que têm e desconhecem qual conduta devem seguir em caso de violência. De acordo com ela, no Rio de Janeiro, três hospitais foram capacitados para o abortamento legal, mas apenas um faz o procedimento. Já a assessora de políticas públicas para a América Latina, Beatriz Galli, constatou que há uma recusa dos profissionais de saúde em acreditar na veracidade do relato da mulher: "essa é a principal barreira para a aplicação eficiente dos direitos da mulher violentada".

Também estiveram presentes o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, representantes da Secretaria de Estado de Educação e da Plataforma Brasileira de Direitos Humanos (DhESCA).

 

Fonte: ASCOM / Procuradoria Regional da República da 2ª Região

Informativos

2017

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: