Sections
You are here: Home Informativos Edições 2016 Dezembro MPF lança nota técnica em que defende legitimidade de ocupações nas escolas
Document Actions

MPF lança nota técnica em que defende legitimidade de ocupações nas escolas

2016-12-12 17:40

 

Documento foi encaminhado ao ministro da Educação, Universidades
e Institutos Federais, assim como a membros do Ministério Público Federal
de todo o País como subsídio para atuação na área

 

ocupação escolas“As ocupações de estabelecimentos de ensino por estudantes devem ser tratadas como um evento político–constitucional, e não um evento criminal, sem prejuízo de apuração, administrativa e criminal, no caso de eventuais abusos no exercício deste legítimo direito e da prática de ilícitos”. Esse é o posicionamento do Grupo de Trabalho Educação, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF), que lançou nesta segunda-feira (12/12) nota técnica em que defende as ocupações de escolas públicas como direito constitucional.

 

O documento foi encaminhado ao ministro da Educação, Mendonça Filho, a Universidades e a Institutos Federais de todo o País, além de ter sido enviado a membros do Ministério Público Federal brasileiro como subsídio para a atuação na área.

 

A nota técnica destaca a importância de que as ocupações sejam compreendidas como exercício dos direitos constitucionais de reunião e de livre manifestação por parte de estudantes, na medida em que representam participação democrática dos principais destinatários das políticas de educação em discussão, notadamente a Medida Provisória Nº 746/2016 e a PEC Nº 55/2016.

 

“O ato político-democrático de ocupação estudantil ao revelar-se como exercício da cidadania – um dos fundamentos da República Federativa do Brasil – é plenamente compatível com o contorno que a Constituição atribuiu ao direito à educação, na medida em que o artigo 205 estabelece que o Estado deve promover e incentivar a educação, sempre visando ao pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania”, reforça o documento.

 

Acerca do suposto confronto entre o direito à ocupação e a continuidade da prestação do serviço público do ensino, o Grupo de Trabalho do MPF ressalta que não há posição preferencial, em abstrato, de um direito sobre o outro: “nos casos em que houver conflitos de interesses – ou seja, quando a ocupação contar com oposição de parte da comunidade escolar/acadêmica –, pode o Ministério Público atuar no sentido de se fazer respeitar, oportunizar e dar prioridade ao processo democrático de negociação, dando margem ao desenvolvimento do diálogo entre estudantes e profissionais das instituições de ensino para solução pacífica do impasse, sempre prezando pela urbanidade e cordialidade no trato entre os envolvidos e buscando-se priorizar a compatibilidade entre o direito de livre manifestação dos estudantes e o respeito a funcionalidades dos prédios ocupados”, diz o texto.

 

A nota ressalta ainda que, em sua atuação na área, o Ministério Público irá priorizar a atuação extrajudicial, ouvindo todos os envolvidos e privilegiando métodos autocompositivos. “O ajuizamento de ação, por sua vez, deve ser excepcionalíssimo, sobretudo no que diz respeito à defesa do patrimônio público, tendo em vista ser vedado à instituição a representação judicial e a consultoria jurídica de entidades públicas”.

 

Acesse aqui a íntegra do documento.

Informativos

2020

Março

Fevereiro

Janeiro

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

 

 
What do you want to do ?
New mailCopy
 

 

Personal tools

This site conforms to the following standards: