Sections
You are here: Home Informativos Edições 2016 Agosto "Valores de cunho moral e religioso não cabem em políticas públicas", destaca PFDC
Document Actions

"Valores de cunho moral e religioso não cabem em políticas públicas", destaca PFDC

2016-08-26 13:59

 

Deborah Duprat participou de audiência pública que discutiu
as diversas formas de
violência contra a mulher.
Atividade foi promovida pelo Conselho Nacional de Direitos Humanos

 

A violência contra a mulher é um fenômeno marcado por aspectos culturais e que também se reflete no contexto de disputa simbólica. Por isso, a ação do Estado precisa estar pautada em princípios da laicidade e na desconstrução da cultura patriarcal que naturaliza a presença de homens nos espaços públicos e reserva às mulheres o ambiente privado e as tarefas domésticas.

 

Esse é o entendimento da procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, que participou na quinta-feira (25/8) de audiência pública promovida pelo Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) para discutir o aumento da violência contra a mulher em todo o Brasil.

 

Dados da ONU Mulheres apontam que a cada ano 4,5 mil brasileiras são assassinadas no País e mais de 50 mil denúncias de estupro são registradas. Somente em 2015, o Disque 180, canal de denúncias de violações de direitos das mulheres, recebeu 63 mil ocorrências de violência contra essa população - sendo 49% relativas a violência física, 30% a violência psicológica, 7% moral e 2% patrimonial.

 

Na oportunidade, a PFDC destacou que políticas públicas para o enfrentamento ao problema só poderão ser eficazes se trouxerem recortes de classe, etnia e orientação sexual. "A luta da mulher branca de um bairro nobre do Rio de Janeiro não é a mesma das negras da periferia. É preciso se pensar isso em termos de políticas públicas".

 

O alerta se comprova nas estatísticas apresentadas pela presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos, Ivana Farina: "nos últimos dez anos, o número de mortes de mulheres negras no País aumentou 54%, enquanto o índice de homicídios de mulheres brancas decresceu 9,8%, de acordo com dados do Mapa da Violência, produzido pela Flacso Brasil".

 

A representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, frisou que o Brasil obteve avanços nos últimos anos - especialmente por meio da Lei Maria da Penha e da Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres - e ressaltou a importância de continuidade das ações: "é preciso manter e aprimorar as ações na área, de modo que as conquistas alcancem todos os cantos do País. Vivemos em uma sociedade sexista, racista, patriarcal e machista. O combate à violência, desde a prevenção à reparação, é dever de todos", ressaltou.

 

Entre os encaminhamentos da audiência, está a articulação para reestruturação e retomada das atividades do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher – órgão criado por lei para formular, propor e monitorar ações governamentais voltadas à promoção dos direitos das mulheres e à igualdade de gênero.

 

Também deliberou-se por ampliar a articulação dos diversos órgãos que compõem o sistema de justiça, de modo a incorporar a cultura de direitos humanos e a perspectiva de gênero no tratamento das ações.

 

O CNDH também deverá realizar missão no estado do Rio Grande do Norte – que vem enfrentando grave situação de feminicídio, com assassinato de onze mulheres nos últimos dez dias. Quatro dessas vítimas foram mortas em um único final de semana.

Informativos

2020

Março

Fevereiro

Janeiro

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

 

 
What do you want to do ?
New mailCopy
 

 

Personal tools

This site conforms to the following standards: