Sections
You are here: Home Informativos Alteração no financiamento da Atenção Primária à Saúde é tema de diálogo com a PFDC
Document Actions

Alteração no financiamento da Atenção Primária à Saúde é tema de diálogo com a PFDC

2019-12-03 19:08

Durante reunião, presidente do Conselho Nacional de Saúde destacou que as mudanças afrontam o princípio de universalidade consagrado pelo SUS

A mudança no modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde - proposta pelo Programa Previne Brasil por meio da Portaria nº 2.979/2019 do Ministério da Saúde - foi tema de diálogo na segunda-feira (1) entre a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e o presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Zasso Pigatto.

 

Entre as preocupações associadas à nova medida, o presidente do CNS destacou que a alteração dos critérios afronta o princípio da universalidade consagrado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), impactando ainda mais o financiamento historicamente insuficiente da saúde pública brasileira.

 

Além disso, ao considerar a população cadastrada na equipe de Saúde da Família (eSF) e na equipe de Atenção Primária (eAP) como base de cálculo para a definição dos incentivos financeiros, a portaria reforça a centralidade no cuidado do indivíduo em detrimento da assistência ao coletivo, com potencial de esvaziar o caráter universal do SUS.

 

A normativa do Ministério da Saúde também afronta, segundo Fernando Pigatto, a Lei Complementar nº 141/2012, que regulamenta dispositivos da Constituição Federal para dispor, entre outras coisas, sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em ações e serviços públicos de saúde, bem como estabelece os critérios de rateio dos recursos de transferências e as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas na área nas três esferas de governo.

 

Conforme explicou o presidente do colegiado, apesar de a Lei Complementar nº 141/2012 em seu art. 17, §1° estabelecer que o Ministério da Saúde deverá orientar os montantes a serem transferidos a partir de metodologia pactuada na comissão intergestores tripartite e aprovada pelo CNS, a Portaria nº 2.979/2019 foi publicada sem aprovação prévia do Conselho Nacional de Saúde.

 

Nessa terça-feira, Deborah Duprat encaminhou ao Ministro da Saúde ofício solicitando o encaminhamento dos estudos técnicos que subsidiaram a edição da portaria, especialmente aqueles relativos aos eventuais riscos à universalidade do atendimento e quanto à comprovação de não redução dos valores já destinados atualmente aos municípios para a atenção básica, seja em 2020, seja nos anos subsequentes

os atualmente aos municípios para a atenção básica, seja em 2020, seja nos anos subsequentes.

Informativos

2019

Novembro

Outubro

Setembro

Agosto

Julho

Junho

Maio

Abril

Março

Fevereiro

Janeiro

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012


 

Personal tools

This site conforms to the following standards: