Sections
You are here: Home Informação e Comunicação Eventos I Caminhada do Silêncio Post em 23/02/19 – Do que são feitos os direitos?
Document Actions

Post em 23/02/19 – Do que são feitos os direitos?

“Para que não se esqueça, para que não se repita.”

* O texto abaixo foi produzido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e fazem parte de uma série de relatos publicados diariamente sobre eventos que constituem graves lesões a direitos humanos. Para acessá-los diretamente nas redes sociais da Comissão, clique aqui.

 

“Sabem do que são feitos os direitos, meus jovens?

Sentem o seu cheiro?

Os direitos são feitos de suor, de sangue, de carne humana apodrecida nos campos de batalha, queimada em fogueiras!

Quando abro a Constituição no artigo quinto, além dos signos, dos enunciados vertidos em linguagem jurídica, sinto cheiro de sangue velho!

Vejo cabeças rolando de guilhotinas, jovens mutilados, mulheres ardendo nas chamas das fogueiras!
Ouço o grito enlouquecido dos empalados.

Deparo-me com crianças famintas, enrijecidas por invernos rigorosos, falecidas às portas das fábricas com os estômagos vazios!

Sufoco-me nas chaminés dos Campos de concentração, expelindo cinzas humanas!

Vejo africanos convulsionando nos porões dos navios negreiros.

Ouço o gemido das mulheres indígenas violentadas.

Os direitos são feitos de fluido vital!

Pra se fazer o direito mais elementar, a liberdade, gastou-se séculos e milhares de vidas foram tragadas, foram moídas na máquina de se fazer direitos, a revolução!

Tu achavas que os direitos foram feitos pelos janotas que têm assento nos parlamentos e tribunais?
Engana-te! O direito é feito com a carne do povo!

Quando se revoga um direito, desperdiça-se milhares de vidas …

Os governantes que usurpam direitos, como abutres, alimentam-se dos restos mortais de todos aqueles que morreram para se converterem em direitos!

Quando se concretiza um direito, meus jovens, eterniza-se essas milhares vidas!

Quando concretizamos direitos, damos um sentido à tragédia humana e à nossa própria existência!

O direito e a arte são as únicas evidências de que a odisseia terrena teve algum significado!”

(Raquel Domingues do Amaral – juíza Federal)

Disponível em: https://www.geledes.org.br/texto-exemplar-da-juiza-federal-raquel-domingues-do-amaral/?fbclid=IwAR3zipaYtRXwFiU2dN-kGMHGScgV6rXMeBlvQwCA3gCRzArPfsF6-QVUbyg


Personal tools

This site conforms to the following standards: